CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Oposição lança painel Pró-Impeachment na Câmara dos Deputados. PT força retirada

Robson Gonçalves

Rubens Bueno espera que processo tenha início neste mês de novembro

Em mais uma ação para pressionar a Câmara dos Deputados a dar início ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT), parlamentares do PPS, PSDB, DEM e SD, com apoio de deputados de outros partidos, instalaram nesta quarta-feira (04/11), na entrada do plenário da Casa, o Painel Pró-Impeachment. No ato de lançamento, foram colhidas as primeiras assinaturas de parlamentares que apoiam o afastamento da petista.
Cerca de duas horas depois, deputados e assessores do PT forçaram a retirada do painel alegando que sua permanência não era permita pelo Regimento Interno da Casa. A tentativa provocou a reação de integrantes do Movimento Brasil Livre, a favor do impeachment, que estão acampados no Salão Verde da Casa. Houve tumulto, empurra-empurra e intervenção da Polícia Legislativa. A Presidência da Câmara acabou decidindo pela retirada do painel para evitar novos confrontos. Os deputados da oposição protestaram em plenário.

O ato de assinatura

Deputados assinam painel
Deputados assinam painel

Um dos primeiros a assinar o pedido, o líder do PPS, deputado federal Rubens Bueno (PR), ressaltou que desde janeiro deste ano a presidente Dilma está tentando se segurar no cargo. “Ela assumiu o segundo mandato com um governo desacreditado. Desde janeiro deste ano tenta a qualquer custo se segurar no cargo, nem que seja as custas de um petrolão que está desviando bilhões de reais dos cofres públicos para manter essa organização criminosa”, afirmou.

A ação desta quarta-feira, ressaltou o parlamentar, é mais um ato de pressão da oposição em busca de assinaturas públicas a favor do impeachment. “É para mostrar ao país aqueles que querem o início do processo de impeachment. E esse início depende agora de uma decisão do presidente da Câmara (Eduardo Cunha). Esse é um ato para pressionar uma decisão neste mês de novembro. A partir daí inicia-se o processo de impeachment para que definitivamente Dilma seja afastada do poder. Isso é necessário para que o Brasil se distensione e olhe para o futuro com a segurança de que esse país, rico como é, não pode ficar nas mãos de gente incompetente e corrupta como o PT”, defendeu.

Já o presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire (SP), trata-se de mais um ato da oposição, que se somado a outros que já vêm de algum tempo, reforça a necessidade de impeachment de Dilma. “Espero que se avolume, que cresça em intensidade, que outros elementos apareçam, outros eventos ocorram e que se ampliem as manifestações de rua. Até para que possamos pressionar efetivamente pela abertura do processo de impeachment e pela sua concretização”, afirmou o parlamentar.

Freire disse ainda que o que importa para o país é o afastamento rápido da presidente. “Até porque o nome da crise brasileira, que é política, econômica, ética e moral tem um nome: governo Dilma”, completou.

O deputado Moses Rodrigues (PPS-CE), que também participou do ato, disse que o movimento pelo afastamento está sempre sendo ativado pela oposição. “Com esse ato, queremos que os deputados possam assinar e apoiar esse movimento Pró-Impeachment. Até para que a sociedade saiba quais são os partidos e quem são os parlamentares que estão antenados com a população brasileira, solicitando o início do procedimento de impeachment da presidente Dilma”, avaliou.

Em discurso durante o ato, os líderes Carlos Sampaio (PSDB), Mendonça Filho (DEM) e Arthur Maia (SD), também defenderam que a decisão sobre o acolhimento ou não do pedido de impeachment assinado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaina Paschoal, com apoio de 45 movimentos populares, saia ainda neste mês de novembro.

Painel foi retirado

O Painel Pró-Impeachment ficaria exposto no Salão Verde da Câmara para que os

Painel foi instalado na Câmara
PT apelou para a censura

parlamentares demonstrassem publicamente que são a favor do impeachment, assim como os mais de um milhão e duzentos mil brasileiros que já assinaram a petição on line lançada há menos de dois meses. O objetivo era que os eleitores pudessem acompanhar o posicionamento de seu representante e exigir que manifestasse sua opinião sobre o impeachment. No entanto, o PT resolveu apelar para a censura contra uma manifestação pacífica e democrática.

Em julho passado, na última pesquisa feita sobre o tema, feita pela CNT/MDA, 63% dos brasileiros concordavam com o afastamento imediato da presidente Dilma.

Matéria atualizada

 

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta