CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Alterações no financiamento de campanhas garantiram “salto de qualidade” na política, diz Wober

Reprodução

O dirigente disse ser favorável a doações empresariais

O coordenador eleitoral do PPS, Wober Junior (RN), afirmou que o financiamento eleitoral com recursos do Fundo Partidário e a doação de pessoas físicas para campanhas eleitorais garantiram “um salto de qualidade” na política brasileira e que o custo das eleições de 2016 foi inferior a metade do que foi gasto no pleito de 2012. Ele lembrou que a bancada do PPS na Câmara dos Deputados votou unanimemente pela extinção do financiamento empresarial.

“O custo destas eleições municipais foi de cerca de 40% quando comparado com a última, em 2012. O povo descobriu que o financiamento empresarial, especialidade do lulopetismo, funcionava para o aparelhamento do Estado e a defesa de interesses escusos. As empresas ‘ganhavam’ obras do governo federal e em contrapartida repassavam o dinheiro para o PT e aliados. Além disso, o absurdo no Brasil era tão grande que, embora o País seja uma das maiores economias do mundo, tínhamos a campanha, em relação ao PIB, mais cara do planeta”, disse.

Contudo, Wober destacou que a doação por pessoas físicas se mostrou tímida, o que evidencia que os brasileiros ainda não possuem a “cultura” de doar para campanhas eleitorais.

“No EUA esse tipo de doação é normal, mas por aqui ainda não. A sociedade de forma geral tem raiva de política. Acredito que isso tende a mudar com o tempo. Seja como for, tivemos esse lado positivo das eleições terem sido mais baratas”, analisou.

O dirigente ponderou, no entanto, que a doação de empresas precisa ser melhor debatida.

“Eu particularmente não sou contrário a participação de empresas. Claro que precisa ser feito de uma forma clara e que impeça o que vimos durante a gestão do PT com diversos escândalos de corrupção. A doação de empresas em si não está errada. Os empresários representam uma parcela importante da sociedade, da opinião pública e da economia. E eles querem participar do processo. Temos que discutir a possibilidade de disciplinar o financiamento empresarial. Tenho certeza que esse debate ocorrerá e encontraremos a melhor solução”, disse.

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta