CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Rubens Bueno participa de conferência mundial sobre sistemas eleitorais

Divulgação

Da esq. p/ dir: Deputado federal Rubens Bueno; ministro Gilmar Mendes, presidente do TSE; William R. Sweeney Jr., presidente e CEO da IFES; e os deputados Benito Gama, José Carlos Aleluia e Miguel Haddad

Em missão oficial em Washington, o líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), participou nesta segunda-feira (07) da 7ª Conferência da Organização Global Eleitoral (GEO7) que promove um debate mundial e a troca de experiências sobre sistemas eleitorais em diversos países. No evento foram tratados temas como candidaturas, campanhas e funcionamento de partidos nos Estados Unidos; proteção ao direito ao voto, requisitos de identificação e limites para votação antecipada; financiamento por meio de megadoadores, pequenos doadores e supercomitês de ação política; além de sistema de proteção, segurança eleitoral e integridade do voto diante de ciberataques e ação de hackers. O GEO7 é considerado o maior encontro internacional de profissionais eleitorais.

“É um grande evento que reúne representantes de quase 100 países que debatem temas da maior importância como os sistemas de financiamento de campanha, respeito às minorias e diversos assuntos que, com a troca de conhecimento, podem melhorar a democracia em todo o mundo”, afirmou o deputado, que nesta terça-feira está acompanhando de perto o processo eleitoral que definirá quem será o próximo presidente dos Estados Unidos. Disputam o cargo o empresário Donald Trump (Republicano) e a ex-secretária de Estado, Hillary Clinton (Democrata).

Rubens Bueno viajou para Washington a convite da Fundação Internacional de Sistemas Eleitorais (IFES). Além de acompanhar a disputa presidencial, com visitas aos locais de votação, ele participa de palestras com especialistas em direito eleitoral, professores de universidades americanas e representantes da agência que regula as eleições federais.

Sobre o IFES

A Fundação Internacional para os Sistemas Eleitorais (IFES) acolhe mais de 500 participantes no evento de uma semana de duração, de 6 de novembro a 10 de novembro, que inclui o Programa de Eleições dos EUA 2016 (USEP) e a Conferência de Eleições Globais (GEO-7). O USEP de 2016 e o GEO-7 serão o maior encontro internacional de profissionais eleitorais do ano, com cerca de 90 países representados, da Albânia ao Zimbabwe.

“Estamos muito satisfeitos em mostrar o sistema eleitoral americano para uma audiência internacional de profissionais eleitorais e para facilitar um intercâmbio sobre questões atuais sobre democracia e eleições”, disse William R. Sweeney, Jr., Presidente e CEO da IFES.

O IFES realiza programas bienais sobre eleições nos EUA para oferecer aos praticantes de eleições internacionais, funcionários eleitos e líderes cívicos uma oportunidade de testemunhar as eleições nos EUA e aprender mais sobre o processo eleitoral americano. No dia da eleição, os participantes serão destacados em locais de votação em Maryland, Virgínia e no Distrito de Columbia para ver o processo eleitoral em primeira mão.

GEO-7 reúne profissionais eleitorais e especialistas para trocar conhecimentos e compartilhar experiências e fornece um fórum para a criação de redes e debate sobre transparência e responsabilidade nas eleições. Thomas Carothers, vice-presidente sênior de Estudos do Carnegie Endowment for Peace, apresentará o discurso principal intitulado “Estado Incerto da Democracia”, que examina o estado da democracia global.

O IFES organiza o GEO-7 em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, a Divisão de Assistência Eleitoral das Nações Unidas, o Instituto Nacional Eleitoral do México, a IDEA Internacional, a Associação dos Oficiais Eleitorais Europeus e o Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África.

Considerada líder mundial na promoção da democracia, o IFES promove a boa governação e os direitos democráticos, prestando assistência técnica aos funcionários eleitorais; Capacitar os subrepresentados a participarem no processo político; e a aplicação de pesquisas de campo para melhorar o ciclo eleitoral. Desde 1987, o IFES tem trabalhado em mais de 145 países, desde democracias em desenvolvimento até democracias maduras.

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta