CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

O Globo destaca sugestão de Manente de criação de CPI para investigar compras de informática do governo

Líder do PPS sugere CPI para investigar compras do governo na área de TI

Deputado paulista Alex Manente disse que a situação é de ‘extrema gravidade’

PEDRO HENRIQUE GOMES* – O GLOBO

O líder do PPS na Câmara, deputado federal Alex Manente (SP), defendeu nesta terça-feira uma devassa completa nos contratos de empresas de informática com o governo federal após o GLOBO revelar como empresas de TI de fachada desviam milhões do governo sem produzir nenhuma solução tecnológica. O parlamentar cogitou a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o setor.

— Trata-se de uma situação de extrema gravidade que precisa ser verificada com lupa. É impressionante como esses esquemas se reproduzem e vão migrando de uma área para outra. Já tivemos a máfia das ambulâncias, o esquema dos sanguessugas, o desmonte da Petrobras. Creio que é necessária uma grande devassa para apurarmos com exatidão a dimensão desse escândalo. É muito dinheiro envolvido e se for preciso até uma CPI poderia ser aberta — afirmou Alex Manente.

Na avaliação do parlamentar, o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União (TCU) precisam passar um pente-fino nos contratos para verificar a existência de superfaturamentos, pagamentos de propina, tráfico de influência e outras irregularidades que podem estar trazendo um prejuízo de bilhões de reais para os cofres públicos.

Como a reportagem mostra, essas empresas atuam, no máximo, como atravessadores cobrando mais caro por produtos já disponíveis no mercado. Em 2017, a união gastou R$ 4,8 bilhões na área. Firmas com sede em Brasília abocanharam cerca de R$ 3 bilhões desse montante.

— Ainda estamos atravessando uma crise e temos um déficit muito grande nas contas públicas. Não é possível permitir que grupos continuem sugando dinheiro público sem dó — concluiu o líder do PPS. (*Estagiário, sob supervisão de Robson Bonin)

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta