CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Em seminário nacional, Igualdade 23 reforça apoio à criação de cotas para candidaturas de negros

Reprodução/FAP

Carta de Salvador será compartilhada com os demais representantes do núcleo em 15 dias

Instituir a criação de cotas de 20% para candidaturas de afrodescendentes, assim como já ocorre em concursos públicos, é fundamental para aumentar o número de negros na política e possibilitar a discussão, a criação e a execução de políticas públicas que atendam às minorias sociais. Essa meta foi reforçada e divulgada, neste domingo (12), pela coordenação do coletivo Igualdade 23, do PPS, nas plenárias finais do Seminário Nacional Representação Política e Ações Afirmativas, realizado no Hotel PortoBello Ondina Praia, em Salvador (BA).

O seminário teve duração de dois dias e foi realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em parceria com o Igualdade 23 (veja abaixo a cobertura completa do evento). O documento, aprovado com o nome “Carta Política de Salvador“, foi produzido como resultado de todas as discussões levantadas no evento e também deve servir para pautar as propostas dos candidatos nas eleições. No primeiro dia, os participantes abordaram a representatividade de afrodescendentes nos espaços de poder e o racismo institucional. Em seguida, discutiram a necessidade de políticas públicas em defesa da igualdade racial que devem ser executadas, efetivamente, nas áreas de educação, trabalho e segurança.

A coordenação do coletivo Igualdade 23 informou que a carta será compartilhada com os demais representantes do núcleo em outros estados, após videoconferências que serão realizadas em até 15 dias. No documento, os integrantes da coordenação reforçaram a necessidade de apoio à aprovação do projeto de lei 6.912/2002, que garante em seu corpo ações afirmativas favoráveis à população brasileira afrodescendente. Eles querem, de forma específica, a aprovação de um apensado que altera a redação do parágrafo 30 do artigo décimo da Lei 9.504, instituindo cotas de 20% para candidaturas de afrodescendentes.

Outros pontos

A carta sugere, ainda, como estratégias para políticas de Estado, o enxugamento da máquina pública e o aumento de fiscalização para o combate à sonegação, assim como o combate às fraudes nas cotas para afrodescendentes e à corrupção na administração pública. O documento também cita, entre outros pontos, atuação para que seja criado novo modelo de segurança pública contra o extermínio da juventude negra.

“O racismo nas instituições públicas e privadas, bem como o introjetado no senso comum da sociedade, tem incidência direta na diminuta representatividade de afrodescendentes nos cargos eletivos”, diz um trecho da carta. “É uma mazela social que continuaremos a combater.”

De acordo com os integrantes da coordenação do Igualdade 23, a representatividade de afrodescendentes em espaços de decisão, como as Casas Legislativas e o Executivo, é fundamental para a discussão, a criação e a implementação de políticas sociais e econômicas. Segundo eles, essas ações podem refletir em todos os âmbitos sociais, principalmente entre as minorias, como, por exemplo, os afrodescendentes, indígenas, as mulheres e pessoas com deficiência. (Cleomar Almeida/Assessoria FAP)

Pesquisadores e autoridades defendem orçamento público para negros e cotas em empresas privadas

Racismo institucional deve ser combatido de forma efetiva, dizem autoridades e pesquisadores

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta