CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Roberto Freire critica nota do MEC que classifica jornalista como agente da KGB

Reprodução

Ricardo Vélez Rodrígues (esq) usou perfil do MEC no facebook para criticar Ancelmo Gois

O presidente do PPS, Roberto Freire (SP), criticou nota (veja abaixo) publicada no perfil oficial do MEC (Ministério da Educação) no facebook criticando o jornalista Ancelmo Gois, do jornal o Globo, na qual o qualifica como agente da KGB, a extinta polícia secreta da União Soviética. Para o dirigente, o ministro da pasta, Ricardo Vélez Rodríguez Vélez, tenta reeditar o marcatismo no Brasil.

“Solidadriedade ao Ancelmo Gois. O marcathismo, produto anti-comunista, made USA, é mancha indelével na história dessa grande País. Difícil qualificar imitações extemporâneas de hoje, aqui e agora no Brasil. O MEC do Vélez tenta reeditar um odiento e ridículo marcathismo tupiniquim”, criticou em sua conta do Twitter.

Polêmica

A polêmica começou após o jornalista publicar na última terça-feira (29) em sua coluna que o MEC censurou vídeos sobre a esquerda na TV do Ines (Instituto Nacional de Ensino de Surdos) já na gestão de Jair Bolsonaro. O ministério afirmou que abriu sindicância para apurar o sumiço dos vídeos que, segundo o MEC, teria ocorrido em novembro de 2018.

Contudo, Ancelmo Gois disponibilizou dados do histórico do Google que confirmam que os vídeos estavam disponíveis até o dia 2 de janeiro. Em resposta, o MEC, em nota oficial, classificou o jornalista como agente da KGB recorrendo à retórica anticomunista adotada pelo atual presidente da República.

O colunista de O Globo foi para a União Soviética em 1969, após o AI-5. Líder estudantil, foi perseguido e preso pela ditadura militar em Sergipe. Ele aceitou o convite do PCB (Partido Comunista Brasileiro) para se refugiar e lá fazer um curso na Escola de Formação de Jovens Quadros do PC. Durante 15 meses viveu com o nome falso de Ivan Nogueira, dado pela KGB. A nota foi publicada nas redes sociais do MEC.

 

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta