CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Roberto Freire diz que proposta de filmar alunos cantando Hino Nacional é “abuso totalitário”

Reprodução

Para Freire, a proposta deve representar mais um recuo do governo Bolsonaro

O presidente do PPS, Roberto Freire (SP), afirmou, em mensagens publicadas nas redes sociais, que a proposta do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, de filmar crianças cantando o Hino Nacional, é “um abuso totalitário” que remonta os regimes totalitários como o nazifascista, maoista e stalinista. Para ele, a medida representa uma invasão de privacidade de pais e, principalmente, alunos.

“Abuso totalitário”

“Nada contra que se cante o hino nacional nas escolas e nos quartéis. Quando jovem cantei em ambas instituições e me fez bem. Porém, filmar nossas crianças nas escolas e enviar para o MEC [Ministério da Educação] é uma estultice própria de regimes nazifascistas, stalinistas e maoistas. A medida é um abuso totalitário”, criticou.

Nem na ditadura

Roberto Freire lembrou que nem na ditadura militar foi exigido procedimentos como o que foi proposto pelo ministro da Educação. Para o dirigente, a pasta deveria estar mais preocupada com o desmantelo das escolas e da própria educação. Ele acredita que isso representará mais um recuo do governo Bolsonaro.

“Tenho quase certeza que no tempo da ditadura militar de 1964 não se exigia tais procedimentos nas nossas escolas e com nossas crianças. Será que estamos a caminho de constrangimentos e repressões maiores que nos tempos de chumbo? Ninguém [do governo] está falando do desmantelo das nossas escolas e da nossa Educação. A estupidez do MEC  de determinar a filmagem é tão totalitária que parece que haverá mais um recuo do governo Bolsonaro”, afirmou.

A proposta

A polêmica surgiu após o MEC enviar e-mails para as escolas do País pedindo que as mesmas executassem o Hino Nacional e filmassem as crianças durante o ato. O ministério justificou que a atividade faz parte da política de incentivo à valorização dos símbolos nacionais. A proposta foi alvo de duras críticas de educadores e juristas.

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta