CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Na CPI do BNDES, Paula Belmonte confronta ex-ministro Mauro Borges Lemos, do MDIC

Robson Gonçalves

A parlamentar apresentou ata que consta a orientação contrária de técnico do Cofig

A deputada federal Paula Belmonte confrontou, na CPI do BNDES, o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Mauro Borges Lemos, dizendo que ele não estava falando a verdade quando disse que na Camex (Câmara de Comercio Exterior) não tinha “canetada” nas decisões sobre empréstimos.

A parlamentar apresentou uma ata de 2014 em que consta a orientação contrária de um técnico do Cofig (Comitê Financeiro e Garantias das Exportações) a uma operação de R$ 320 milhões com Moçambique. Os ministros que formavam a Camex, inclusive o depoente, que então comandava o MIDC, ignoraram o parecer e seguiram com a operação. O país africano até hoje está inadimplente.

Segundo a deputada, consta da ata o motivo de o técnico ter se colocado contra o empréstimo.

“O problema era que não havia conta garantia”, explicou ela. Mauro Lemos contestou e disse que não precisava de conta garantia, sem explicar qual é a diferença entre os dois. Paula Belmonte disse ao ex-ministro que ele tinha valor, mas ‘foi omisso'”, afirmou. 

Para Paula Belmonte, existia uma política determinada em instâncias superiores ao BNDES que o banco tinha que seguir.

“[Essa política] era feita pelo próprio presidente da República e seus ministros. Os técnicos simplesmente cumpriam o que se decidia lá em cima”, disse a deputada.

Ela informou que ouviu de um técnico que “a operação chegava pronta, a gente só aprovava, não se questionava”.

O ex-diretor jurídico do BNDES Marcelo de Siqueira Freitas falou sobre algumas operações famosas da instituição, como a compra do frigorífico Bertin pelo grupo JBS e contou que o BNDES-PAR não se deu conta de que estava sendo roubado pela empresa dos irmãos Wesley e Joesley Batista porque havia entre a Bertin e a JBS um contrato de gaveta. A Bertin foi superavaliada no negócio para que os dois irmãos pudessem embolsar um lucro extra em cima do banco estatal.

“O senhor Marcelo confirmou que o BNDES não estava observando seu objetivo principal, que é proporcionar desenvolvimento econômico ao País”, disse a parlamentar.

A parlamentar lembrou que o ex-diretor afirmou que empresas de auditoria reconhecidas internacionalmente colocavam seu nome no processo, mas acrescentavam uma observação de que não havia sido feita “uma avaliação analítica”.

Paula Belmonte frisou que a CPI não quer acabar com o BNDES, como afirmam deputados da oposição, mas sim fazer com que o banco vise o desenvolvimento nacional, com geração de emprego e fazendo com que as micro, pequenas e médias empresas se expandam.

“Podemos exportar serviços, mas com critérios”, defendeu a deputada.

Nenhum conteúdo relacionado

Deixe uma resposta